Uma das estratégias de enfrentamento da pandemia é o isolamento de casos suspeitos ou confirmados e acompanhamento dessas pessoas por profissionais de saúde (BRASIL, 2020b). Uma das ferramentas que têm sido utilizadas e recomendadas é o monitoramento desses indivíduos via telefone, acompanhando os sinais e sintomas da doença e prestando orientações de cuidado em saúde (BRASIL, 2020b).

Para isso é necessário que haja recursos humanos disponíveis e capacitados, além de um suporte de tecnologia da informação para a implementação dessa ferramenta. No entanto, rapidamente se esgotam os recursos da vigilância em saúde municipais, que são serviços de saúde coletiva do Sistema Único de Saúde (SUS), normalmente já subdimensionadas nesses recursos bem antes da pandemia, realidade que agora inviabiliza uma mínima “vigilância” dos casos e um apoio aos que estão em isolamento por indicação epidemiológica.

Tendo em vista todo esse quadro, um grupo de professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus UFRJ-Macaé Professor Aloísio Teixeira (UFRJMacaé), ligados ao Grupo de Trabalho Multidisciplinar para o enfrentamento da COVID-19, na UFRJ na Região Norte Fluminense e Baixada Litorânea, mobilizou-se para organizar o que vem a ser objeto desta nota técnica: a proposta de uma sistemática de organização do telemonitoramento de pessoas em isolamento domiciliar por indicação da vigilância em saúde do município, oriundos da rede pública e/ou privada, como medida de enfrentamento da COVID-19.

O telemonitoramento é um serviço organizado pela UFRJ-Macaé que produz ações de vigilância e cuidados para pessoas em isolamento domiciliar por indicação da vigilância em saúde do município, oriundos da rede pública e/ou privada, como medida de enfrentamento da COVID-19. As ações são direcionadas aos grupos de usuários que foram identificados pelos serviços de vigilância em saúde da rede municipal como portadores de síndrome gripal, suspeitos ou confirmados de COVID-19, e seus comunicantes. Este serviço consiste em acompanhamento, via telefônica, desses usuários da evolução dos sintomas da COVID-19 e orientações de como proceder com o isolamento, cuidados em saúde e com o domicílio.

Essa Nota Técnica propõe a organização de uma Central de Telemonitoramente para acompanhar remotamente os doentes em isolamento domiciliar.

Esta nota foi publicada no Boletim Ciência Macaé, edição número 1, Junho de 2020, nas páginas 91 a 106, Editado pelo OBSERVATÓRIO DA CIDADE DE MACAÉ Macaé, e publicado online no link http://www.macae.rj.gov.br/midia/uploads/Revista_Observat%C3%B3rio_da_Cidade_de_Maca%C3%A9%20final%20(1).pdf

UFRJ Campus Macaé
Desenvolvido por: TIC/UFRJ